Principais 13 ferramentas de engenheiro de confiabilidade do site (SRE)

A função e as responsabilidades de um engenheiro de confiabilidade do local (SRE) podem variar dependendo do tamanho da organização e, como tal, as ferramentas de engenharia de confiabilidade do local. Na maioria das vezes, um engenheiro de confiabilidade do site está focado em múltiplas tarefas e projetos ao mesmo tempo, então para a maioria dos SREs, as várias ferramentas que eles usam refletem suas responsabilidades em evolução. Um SRE típico está ocupado automatizando, limpando códigos, atualizando servidores e monitorando continuamente os dashboards para desempenho, etc., para que eles vejam mais ferramentas nesse cinto de ferramentas. Por essa razão, as ferramentas e plataformas que um SRE usa podem variar muito de organização para organização.

Por exemplo, em organizações ou startups menores, o pessoal tende a ser mais limitado, então um engenheiro de confiabilidade do site pode precisar ser bem versado em múltiplas ferramentas, como Golang, Terraform, Docker, CircleCI e Puppet, apenas para citar alguns. Em organizações maiores, um engenheiro de confiabilidade do site pode ser mais focado ou siloed em responsabilidades específicas, portanto, seu conjunto de ferramentas pode ser mais limitado. E, em alguns casos, um SRE pode estar focado ou encarregado de trabalhar em Jenkins dia após dia. Só depende da situação. Vejamos algumas das ferramentas mais comuns e populares do engenheiro de confiabilidade do site. Esta obviamente não é uma lista abrangente, mas lhe dá uma ideia geral da amplitude de conhecimento e experiência que um SRE pode precisar utilizar.

 

Linguagens de Programação

Os engenheiros de confiabilidade do site precisarão ter experiência com várias linguagens de programação, mas, mais importante, precisam saber como usar esses idiomas para automatizar toda e qualquer tarefa. Vejamos algumas das linguagens de programação mais comuns que um grupo de SRE encontrará, como Python, Golang e Ruby.

 

1. Python

Python é uma das linguagens de programação mais comuns e populares por aí. É uma linguagem de uso geral, o que significa que tem uma ampla gama de usos, como a espinha dorsal de sites ou aplicativos web, automatização de tarefas ou até mesmo testes. Na verdade, é usado por empresas como Netflix, Venmo e Dropbox, só para citar alguns. Python é fácil de aprender, por isso é bom para alguém apenas começando, mas versátil e extenso para especialistas em Python também. O melhor de tudo é de código aberto e tem uma grande comunidade de apoio por trás disso.

 

2. Golang

Golang, ou Go, é uma linguagem de programação de código aberto criada pelo Google em 2009 que é usada para criar programas de software. Ir, comparado com outros idiomas, é fácil de aprender, especialmente se você já conhece C ou Java, e também pode escalar bem. Também é extremamente rápido, pois é uma linguagem compilada, o que significa que o código escrito é convertido automaticamente em código de máquina imediatamente. Golang também é o poder por trás de outros serviços que os SREs usam, como Docker, Terraform e Kubernetes. Comparado ao Python, Go não é tão descritivo, então, em alguns casos, os programadores podem precisar escrever mais linhas de código para executar uma função específica em comparação com o uso do Python.

 

3. Ruby

Ruby é uma linguagem de programação de código aberto do lado do servidor, como as linguagens Python ou PERL. Ruby é uma linguagem de programação dinâmica, portanto não há regras de ajuste rígido quando se trata de construir recursos e é usado principalmente para o desenvolvimento de aplicações web. Embora ruby em si tenha grandes benefícios, quando combinado com a estrutura web rails, torna-se conhecido como Ruby on Rails (RoR). Outras linguagens de programação como HTML (HyperText Markup Language), JavaScript e CSS (Cascading Style Sheets) (Cascading Style Sheets) não incluem aspectos tanto dos serviços front-end quanto do back-end, que é o que diferencia o Ruby on Rails de outras línguas. Devido à flexibilidade do Ruby on Rails, ele é usado em uma variedade de indústrias e organizações, como Airbnb, Shopify, GitHub e Fiverr.

 

Contêineres/Microsserviços

A containerização e os microsserviços rapidamente se tornaram uma tecnologia crucial para permitir que as organizações desenvolvam e liberem aplicativos mais rapidamente, além de dimensioná-los em diferentes ambientes. Plataformas como Docker, Kubernetes e Nomad são algumas das principais soluções para apoiar aplicações modernas nos ambientes nativos da nuvem em constante crescimento.

 

4. Docker

O Docker é uma plataforma popular de contêiner de código aberto que permite que os usuários embalem pacotes de código-fonte e dependência de aplicativos em um único contêiner ou contêiner Docker. O Docker, assim como outras soluções de containerização, possibilita empacotar e executar aplicativos em diversos ambientes, sem ter que considerar fatores como sistema operacional ou outras configurações específicas do sistema. Por causa dessa flexibilidade, as aplicações se tornam mais portáteis e podem ser executadas em qualquer lugar sem se preocupar com fatores externos. Além disso, a tecnologia de containerização se presta ao CI/CD, permitindo que os desenvolvedores atualizem continuamente o código e implantem aplicativos de forma mais rápida e eficiente.

 

5. Kubernetes

Kubernetes é um sistema de orquestração de contêineres de código aberto usado para ajudar na implantação, dimensionamento e gerenciamento de aplicativos em contêineres. Ambientes podem ser complexos, consistindo de múltiplas plataformas ou múltiplos ambientes em nuvem. Kubernetes é usado para gerenciar tudo isso para você. Embora isso possa parecer notavelmente familiar para docker, Kubernetes não é um concorrente direto para Docker, como Kubernetes pode ser usado além da plataforma Docker. No entanto, Docker tem sua própria solução de orquestração, chamada Docker Swarm. Kubernetes é usado para gerenciar muitos contêineres ao mesmo tempo, ajudando a atualizar aplicativos sem interromper o serviço para os usuários, bem como monitorar a saúde geral dos aplicativos. Os Kubernetes também podem ajudar no balanceamento de carga, ajudando a garantir que os aplicativos se apresentem em escala, além de fornecer suporte para autenticação e segurança no nível de infraestrutura.

 

6. Nômade

Nômade é outra plataforma de orquestração de contêineres. A principal diferença entre nômades e Kubernetes é que o Nomad foi projetado para o sistema de operações Unix. Por outro lado, o Kubernetes foi projetado para aplicativos baseados em contêineres Linux. Comparado com Kubernetes, nômade é muito mais simples, em termos do número de serviços em que depende. Kubernetes conta com a variedade de outros serviços para fornecer funcionalidade. Nômade não exige ou depende de nenhum serviço externo. Devido a isso, kubernetes podem ser muito mais intensivos em recursos, em termos de configuração e configuração. Empresas que são conhecidas por usar ou usaram nômades incluem Cloudflare, Pandora, Roblox e muitas outras.

 

Gerenciamento de configuração

As ferramentas de gerenciamento de configuração permitem que um engenheiro de confiabilidade do site gerencie, rastreie, controle e, o mais importante, automatize várias tarefas, como upgrades e patches de software, segurança, gerenciamento de usuários e muito mais. Essas ferramentas também ajudam os SREs a automatizar essas várias tarefas em escala. Vejamos algumas das ferramentas de configuração mais comuns, como Terraform, Ansible e Chef.

 

7. Terraform

Terraform é um software de código aberto da HashiCorp que é considerado uma solução IaC, ou Infraestrutura como código. Terraform, juntamente com a Ansible, que vamos falar mais a seguir, são duas das ferramentas mais usadas para um engenheiro de confiabilidade do site e equipes DevOps. Terraform é usado para prover, gerenciar e orquestrar infraestrutura, não importa se essa infraestrutura está no local, na nuvem, ou uma combinação de ambos, como em um ambiente híbrido. Usar uma solução como a Terraform é mais eficiente do que tentar prover e gerenciar infraestrutura, especialmente com vários provedores. No passado, esse processo teria levado uma equipe inteira de indivíduos. Agora, desenvolvedores e SREs podem prover infraestrutura sob demanda. Ter uma plataforma que possa gerenciar tudo isso em um só lugar também é benéfico para consistência e colaboração.

 

8. Ansible

Ansible, como o Terraform, é uma ferramenta de gerenciamento de configuração de código aberto. Eles compartilham muitas semelhanças e, em alguns casos, são usados como soluções complementares, mas há algumas diferenças fundamentais entre as duas soluções. Por exemplo, as instruções de manual da Ansible são baseadas no YAML, mas são escritas em linguagem Python, que fornece extensibilidade, bem como manusear uma ampla gama de funções e scripts. A Terraform usa sua própria linguagem de configuração, chamada HCL.

Se cavarmos mais fundo entre os dois, o Ansible está mais focado na mutabilidade, que é um conceito que os desenvolvedores estão familiarizados. Mutability gira em torno da ideia de que algo, neste caso um recurso, pode ser alterado. Para alterar um recurso, você pode modificá-lo (mutável) ou recriar completamente (imutável). Ansible foca a mutabilidade, ou tentando mudar o estado de um recurso em vez de destruí-lo, o que é melhor para ambientes de TI mais tradicionais. Por outro lado, a Terraform é focada na imutabilidade, que pode ser melhor para ambientes de nuvem ou híbridos.

 

9. Chef

Chef é outra ferramenta de gerenciamento de configuração de código aberto que é mais como Ansible ou Puppet, outra ferramenta que é comumente usada por equipes SREs e DevOps. Chef suporta várias plataformas, como Windows, Ubuntu, Solaris, Linux, FreeBSD e muito mais. Ele também pode se integrar com provedores baseados em nuvem, como Amazon, Google Cloud Platform, Azure e outros. No entanto, ao contrário do Ansible, ele é baseado na linguagem de programação Ruby, o que torna uma escolha fácil para desenvolvedores e equipes que estão confortáveis em trabalhar neste idioma. Como as outras ferramentas que discutimos, o objetivo de qualquer uma dessas ferramentas é remover o máximo de trabalho manual possível. Ambientes podem se tornar complexos e ainda mais difíceis de gerenciar diariamente, e é por isso que uma ferramenta como o Chef pode ser uma bênção para as equipes de SREs e DevOps.

 

Monitoramento & Analytics

Por fim, um engenheiro de confiabilidade do site precisa da capacidade de monitorar seus aplicativos e completar a pilha de TI para garantir funcionalidade, desempenho e disponibilidade contínuas. Essas ferramentas de monitoramento e analíticas também precisam ser capazes de enviar alertas imediatos se algum aplicativo cair ou essas métricas de desempenho não atenderem aos limites predefinidos. Os SREs possuem uma variedade de soluções de monitoramento e ferramentas disponíveis para garantir que o SLA (Service Level Agreements) e o SLO (Service Level Objectives) estejam sempre dentro do alcance adequado. Vejamos ferramentas e soluções populares como Prometeu, Grafana, Kibana e Dotcom-Monitor.

 

10. Prometeu

Como muitas das ferramentas desta lista, o Prometeu é outro software de código aberto usado por engenheiros de confiabilidade do site. É uma das ferramentas mais populares com SREs, pois funciona bem com kubernetes e tem um extenso conjunto de recursos e plugins que suporta. A Prometheus é usada para monitorar e coletar métricas sobre sua infraestrutura e aplicativos e saídas que dados na forma de dashboards e visualizações. Uma das principais diferenças entre Prometeu e outras ferramentas de monitoramento é que a Prometeu usa seu próprio datastore para coletar dados sobre as métricas que pode monitorar. Outras ferramentas dependem de um banco de dados separado para puxar dados e métricas de monitoramento; no entanto, a Prometeu pode se integrar a uma extensa lista de outras bases de dados e soluções de terceiros.

 

11. Grafana

Grafana é uma ferramenta de análise e monitoramento de código aberto usada pelos SREs para visualizar dados e métricas de relance. Grafana também pode ser configurado com vários alertas, para que as equipes ou indivíduos corretos possam ser notificados imediatamente quando ocorrem problemas. Os painéis do painel podem ser configurados com as métricas mais importantes. As fontes de dados suportadas pela Grafana incluem Prometeu, MySQL, Elasticsearch, SQL, AWS (Amazon Web Services) e muito mais. Esses dashboards também podem ser facilmente compartilhados com outros membros da equipe, criando e enviando via link ou até mesmo um instantâneo rápido. Por fim, a Grafana suporta muitas das ferramentas que os SREs e suas equipes usam diariamente através de plugins, como Splunk, MongoDB, Jira, Cloudflare e muitas outras.

 

12. Kibana

Kibana é outro software de visualização de painel que é popular entre os SREs. Kibana é um aplicativo front-end que é gratuito para usar, no entanto, é proprietário do Elasticsearch, e funciona em conjunto com o Elastic Stack (anteriormente ELK Stack). Kibana tem uma infinidade de recursos e tipos de visualização, como mapas de calor, gráficos de tortas, gráficos de séries temporais, etc. Esses dados também podem ser visualizados através de mapas geográficos. Como outras ferramentas, essas visualizações podem ser compartilhadas com segurança com membros da equipe, clientes, stakeholders, etc. A Kibana suporta muitas outras ferramentas, integrações de terceiros e tem uma comunidade de usuários forte para problemas técnicos e necessidades de suporte.

 

13. Dotcom-Monitor

O Dotcom-Monitor é uma plataforma abrangente de monitoramento usada pelas organizações para monitorar tudo, desde sites, aplicativos web e serviços web até visibilidade completa da infraestrutura de TI. A plataforma fornece aos engenheiros de confiabilidade do local os recursos necessários para configurar e personalizar seus requisitos específicos de monitoramento. As equipes podem executar vários relatórios de SLA e desempenho sob demanda, bem como visualizar painéis em tempo real para garantir o desempenho contínuo de toda a sua pilha. O Dotcom-Monitor também se integra com plataformas de comunicação de terceiros e ferramentas de alerta que as equipes do DevOps estão utilizando, como Azure, Slack, PagerDuty, VictorOps e muito mais.

Veja como o Dotcom-Monitor se compara a outras plataformas de monitoramento no mercado, como Uptrends, Site24x7, Datadog e outras.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on print
Print